Serra da Aboboreira

Seminários temáticos debatem diferentes dimensões da Serra da Aboboreira

A promoção e reconhecimento da Serra da Aboboreira como Paisagem Protegida Regional vai servir de mote a três seminários temáticos, a realizar nos meses de janeiro e fevereiro de 2023, promovidos pela Associação de Municípios do Douro e Tâmega.
O primeiro seminário terá lugar em Amarante, no Auditório do IET (Instituto Empresarial do Tâmega), a 12 de janeiro, sob o tema “Paisagem Protegida Regional da Serra da Aboboreira: O processo, os desafios e as oportunidades”.

Com início previsto para as 14h00 e conclusão pelas 18h00 o seminário irá contar com dois painéis nos quais serão discutidos a “Paisagem Protegida Regional da Serra de Aboboreira: as motivações, o processo e os desafios” e “As oportunidades e os desafios na implementação e gestão da Paisagem Protegida”, protagonizados por diversos especialistas e estudiosos da Serra e da Região.
Cristina Vieira, presidente do Conselho Diretivo da Associação de Municípios do Douro e Tâmega, destaca a enorme riqueza, diversidade e singularidade de um território que se afirma cada vez mais como único.

“Enquanto região com uma biodiversidade e geodiversidade únicas, com um património geológico, geomineiro e paleontológico sem-par, a que se associam ecossistemas terrestres e fluviais e a observação de aves protegidas, a Serra da Aboboreira é um tesouro que tem de ser divulgado, valorizado e preservado”, refere.

Divididos pelos três concelhos abrangidos pela Serra da Aboboreira e pelas várias temáticas a desenvolver, os seminários irão decorrer em Amarante, Baião e Marco de Canaveses, nos quais serão abordadas, por especialistas de cada área, as características e propriedades do território.

Já em fevereiro, será a vez de Baião e Marco de Canaveses darem continuidade à iniciativa, com o Seminário “Património Natural”, no dia 2, e “Património Cultural e Paisagístico”, no dia 23, respetivamente.

A participação nos seminários está sujeita a inscrição prévia obrigatória, sendo os lugares limitados à capacidade do espaço.

De referir que a iniciativa é financiada pelo Portugal 2020, no âmbito do Programa Operacional Regional do Norte e comparticipada pela União Europeia.