Pela Rota do Românico

Mosteiro de Travanca acolhe concerto Requiem de Mozart

O último concerto do ciclo Requiem de Mozart promovido pela Rota do Românico está agendado para sábado, dia 14 maio, às 21h30, no Mosteiro do Salvador de Travanca, em Amarante. A entrada é gratuita.

O espetáculo, com mais de 120 intérpretes, entre cantores e músicos, será protagonizado pela Banda de Música da Associação de Cultura Musical de Lousada, pelo Coro Feminino do Conservatório do Vale do Sousa, pelo Coro Audivi Vocem, pelo Vocal Art Ensemble e pelos solistas Paulina Sá Machado, Marta Magalhães, Hélder Bento e José Corvelo. Sílvio Cortez e Hélder Bento assumem a direção coral e Carlos Silva a direção artística.

O Requiem, a última obra inacabada de Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791), está envolta num ambiente que nos conduz para o mistério, num processo construtivo de sequência artística e estética. Iniciada em 1791, numa fase de fragilidade física do compositor, podemos considerar esta criação como um derradeiro sopro musical descrito na partitura no seu leito de morte, sendo concluída pelo seu amigo e discípulo Franz Sussmayr (1766-1803).

Numa transcrição para banda de Jorge Campos, que se reveste dos timbres das várias famílias dos sopros, madeiras e metais, salvaguardando os timbales, coro e solistas da partitura original, a Rota do Românico propõe-lhe um ícone da história da música ocidental, desafiando-o, assim, a descobrir diferentes formas de fazer sentir.

Para além do Mosteiro de Travanca, o ciclo Requiem de Mozart teve ainda mais três apresentações: no Mosteiro de Pombeiro, Felgueiras, no dia 10 de abril último; no Mosteiro de Vila Boa do Bispo, Marco de Canaveses, a 23 de abril; e na Igreja do Divino Salvador de Freamunde, Paços de Ferreira, no dia 1 de maio.

Estes eventos enquadram-se no projeto EEC PROVERE Turismo para Todos: Valorização, dinamização e promoção turística da região, cofinanciado pelo Norte 2020, Portugal 2020 e União Europeia, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER).

Note-se que, as principais áreas de intervenção da Rota do Românico abrangem a investigação científica, a conservação do património, a dinamização cultural, a educação patrimonial e a promoção turística.