fbpx
Marco de Canaveses
C.M. Marco de Canaveses

Cristina Vieira eleita presidente Associação Municípios Baixo Tâmega

Realizou-se no passado dia 7 de dezembro, na sede da Associação de Municípios do Baixo Tâmega (AMBT), em Amarante, o ato de instalação do Conselho Diretivo da Associação, a que se seguiu a primeira reunião deste órgão executivo para efeitos de eleição dos seus presidente e vice-presidente. 

O cargo de presidente do Conselho Diretivo, para o mandato de 2021-2025, será exercido pela presidente da Câmara Municipal do Marco de Canaveses, Cristina Vieira, que sucede a Paulo Pereira, presidente da Câmara Municipal de Baião, e o de Vice-Presidente, pelo presidente da Câmara Municipal de Celorico de Basto, José Peixoto Lima.  Na mesma reunião foi ainda aprovada a continuidade de Ricardo Magalhães nas funções de Secretário-geral da instituição. 

O Conselho Diretivo será ainda composto pelo presidente da Câmara Municipal de Amarante, José Luís Gaspar, pelo presidente da Câmara Municipal de Baião, Paulo Pereira e pelo presidente da Câmara Municipal de Resende, Garcez Trindade. 

No mesmo dia também tomaram posse os membros da Assembleia Intermunicipal da AMBT – três por cada município associado – sendo eleito para presidente da Mesa da Assembleia o presidente da Câmara Municipal de Resende, Garcez Trindade, para vice-presidente o vereador da Câmara Municipal de Celorico de Basto, Manuel Machado e para Secretário o vereador da Câmara Municipal de Baião, José Lima Soares. 

Cristina Vieira, agora eleita, expressou “a importância da AMBT na captação, em articulação com as diversas entidades supramunicipais que atuam no território, de fundos comunitários para a região do Baixo Tâmega e Douro Sul, que no atual quadro comunitário de apoio, o NORTE 2020, ascende já a cerca de 3,6 M€”.  

Destacou ainda que “a AMBT é um ator importante para potenciar o trabalho em rede dos diferentes municípios que a integram, em interesses comuns para os territórios, de onde se destacam a promoção turística e valorização dos produtos endógenos, do património natural e cultural”.