fbpx
Debate

José Luis Gaspar assegura que a Zona Industrial vai avançar em Vila Meã

As eleições autárquicas do passado dia 26 de setembro ditaram a reeleição de José Luís Gaspar (PSD/CDS-PP) para a presidência da Câmara Municipal de Amarante, cumprindo o seu terceiro e derradeiro mandato.  

A candidatura da coligação Afirmar Amarante (PSD/CDS-PP), encabeçada pelo o atual presidente da Câmara de Amarante, obteve 16.224 votos (52,36%) elegendo cinco mandatos.  

O Partido Socialista, que tinha como candidato Hugo Carvalho, registou 12.088 votos (39,01%) e elegeu quatro mandatos.  

Dos outros partidos candidatos à autarquia de Amarante, o Bloco de Esquerda obteve 656 votos, o Chega 623 e a CDU 511 votos. 

Em período de campanha eleitoral, a Associação Empresarial de Vila Meã, em conjunto com o Jornal de Vila Meã, promoveu, no âmbito da iniciativa VILA MEÃ 2030, um encontro com os candidatos à presidência da Câmara Municipal de Amarante sob o mote Visão Política. 

Este encontro teve o propósito de escutar os vários candidatos sobre projetos, perspetivas de desenvolvimento e prioridades em concreto para o território de Vila Meã. 

Neste encontro, realizado na Quinta da Cruz Hotel & SPA, esteve presente o candidato do Bloco de Esquerda, António Marinho Silva, o candidato da CDU, António Duarte, do PS, Hugo Carvalho, o cabeça de lista da coligação PSD/CDS-PP, José Luís Gaspar e o candidato do partido Chega, Filipe Macedo. 

José Luís Gaspar, presidente reeleito, ressalvou neste encontro a pretensão de avançar com a urgente criação de um Parque Industrial no território de Vila Meã. Aliás, a necessidade premente de concretizar esta demanda da criação de uma Zona Industrial foi unânime entre os candidatos dos cinco partidos, lembrando que esta é uma reivindicação dos vilameaneses e que se arrasta já há demasiado tempo.  

O presidente da Câmara de Amarante, reeleito nas eleições autárquicas de 2021, afirmou na altura que a autarquia estaria já a “acompanhar e a colaborar com a iniciativa privada para desenvolver a criação deste Parque Industrial, tendo a Câmara o propósito de reduzir as taxas a aplicar no investimento privado em quase 50%”. 

Inclusive, na sua abordagem, José Luís Gaspar, afirmou “estar já identificado uma área, com cerca de 110 mil metros quadrados, no eixo estruturante da entrada de Vila Meã, onde será possível instalar a tão ansiada Zona Industrial”. 

A questão das acessibilidades foi outro dos temas fulcrais neste encontro, levando, uma vez mais, à concordância entre todos os candidatos de que Vila Meã necessita de ver resolvida a questão das acessibilidades, principalmente no que respeita à ligação com a sede do concelho. 

Uma vez mais, o presidente da Câmara de Amarante, fez questão de frisar que “o eixo central que liga Vila Meã até à Ponte da Pedra, que está agora na 2.ª fase, vai ser estruturante, uma vez que o projeto está validado para uma 3.ª fase que ligará o eixo central de Vila Meã ao Largo da Feira, para depois seguir rumo a Oliveira”. 

O candidato do PS, principal partido da oposição, reiterou a afirmação do autarca, enunciando “as promessas ainda não cumpridas há oito anos, como por exemplo a construção de uma variante para Vila Meã, a ligação de Ataíde a Oliveira ou ainda a falta do Gimnodesportivo em Vila Meã”. 

Quanto ao Pavilhão Gimnodesportivo prometido para Vila Meã, Gaspar diz “ter já o projeto concluído e pronto a avançar”. 

Entre os diversos investimentos para Vila Meã debatidos neste encontro de candidatos à Câmara de Amarante, está a questão da ferrovia. Considerada também de grande importância, todos os partidos frisaram a necessidade da construção do parque de estacionamento em terreno anexo à Estação Ferroviária Vila Meã, mas que José Luís Gaspar esclareceu “ser da responsabilidade da Infraestruturas de Portugal”. 

O líder da coligação Afirmar Amarante (PSD/CDS-PP) afirmou ser intenção para este terceiro mandato “continuar a apoiar a iniciativa privada”, assim como “descentralizar serviços”. 

Sendo o território de Vila Meã um privilegiado no que respeita ao associativismo e considerado por todos os partidos, que se apresentaram neste ato eleitoral autárquico, como fulcral na promoção da atratividade do território, José Luís Gaspar reiterou que vai “continuar a ajudar, consoante as possibilidades, o associativismo de todo o concelho e, em particular, de Vila Meã”.  

Reeleito pela população amarantina para executar aquele que será o seu terceiro e último mandato enquanto presidente da Câmara de Amarante, José Luís Gaspar fez questão de lembrar que tem “cumprido e honrado os compromissos, sendo que foi delineado um projeto e estamos a segui-lo com todo o rigor para dar uma nova centralidade a este território de Vila Meã. Propondo a todos os vilameanenses um pacto de confiança para o futuro desta terra”.  

O Hotel & SPA Quinta da Cruz recebeu este encontro com os candidatos à Câmara de Amarante, num espaço agradável e propício para um salutar debate de ideias e projetos.  

Não podemos deixar de agradecer à equipa que tem preparado estes encontros no âmbito do Vila Meã 2030, sobretudo a colaboração do Carlos Moura, com a disponibilização de todo o equipamento técnico para que possamos difundir o que aqui debatemos, o Ricardo Alves, pelo apoio técnico, a jovem Raquel Ferraz e neste encontro o jornalista António Orlando que desde logo se disponibilizou a participar na moderação.