fbpx
António Fernandes da Fonseca

Centenário do nascimento do Professor António Fernandes da Fonseca

Em 2021 cumpre-se o centenário do nascimento do Professor António Fernandes da Fonseca e o Centro de Estudos Amarantinos (CEAmt) não poderia deixar de evocar esta data em reconhecimento à vida e obra de um dos seus conterrâneos.

Embora limitadas pela pandemia da Covid-19, as homenagens um dos nomes mais ilustres da Psiquiatria e da Saúde Mental em Portugal não podiam passar em vão.

Desta forma, foi desafiada a família, amigos e as instituições a que esteve ligado para uma evocação “singela e justa de alguém que, avançado no seu tempo, lutou sempre por aquilo em que acreditava, sem esquecer as suas ligações à terra onde nasceu, à escola onde aprendeu as primeiras letras, aos amigos e homens de cultura que o marcariam para sempre, Teixeira de Pascoaes, Ilídio Sardoeira ou Manuel Amaral”, explica o CEAmt .

A Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, juntamente com o Centro Hospitalar Universitário de São João, o Hospital Conde de Ferreira, a Universidade Fernando Pessoa, Junta de Freguesia de Gondar e o Município de Amarante, juntaram-se assim à família e amigos para homenagear publicamente António Fernandes da Fonseca.

Do programa de evocação ao centenário do nascimento de António Fernandes da Fonseca, consta uma mesa redonda, intitulada “Fernandes da Fonseca: o médico, o professor e o homem”, moderada por Isabel Ponce de Leão e que se realizará no dia 20 de julho, às 18h00 na Universidade Fernando Pessoa, Porto.

No dia 4 de agosto, às 11h00, na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e Centro Hospitalar Universitário de S. João, está prevista uma Evocação do Centenário do Nascimento do Professor António Fernandes da Fonseca com vários intervenientes e moderadores.

No mesmo dia, a Junta de Freguesia de Gondar, presta igualmente homenagem a António Fernandes da Fonseca às 18h00 no Centro Paroquial de Gondar.

António Fernandes da Fonseca “marcou de forma indelével o seu tempo, mas o seu exemplo como médico, investigador, homem de cultura, político e cidadão de causas perduram como legado de alguém que esteve à frente do seu tempo e exemplo a seguir para gerações de médicos, investigadores e cidadãos”, assume o Centro de Estudos Amarantinos.

Acrescentando: “a Fernandes da Fonseca devemos, para além do mais, o reconhecimento por ter lutado por aquilo em que acreditava e ter melhorada a sociedade em que vivemos”, conclui o CEAmt .

Quem foi António Fernandes da Fonseca?
António Fernandes da Fonseca nasceu a 4 de agosto de 1921, na freguesia de Gondar, concelho de Amarante. Frequentou a Escola Primária de Ovelhinha e o Colégio de S. Gonçalo, em Amarante, e completou o 7.º ano no Liceu Rodrigues de Freitas, no Porto. Cursou Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, tendo estagiado durante o último ano nos serviços de Neurologia do Hospital de Santo António Em 1955, foi-lhe concedida, pelo Instituto de Alta Cultura (IAC), uma bolsa de estudo que lhe permitiu estagiar no Hospital St. Thomas e no Instituto de Psiquiatria, em Londres. Em 1959, foi-lhe conferido o grau de Doutor em Medicina pela Universidade do Porto, tendo sido encarregado da regência de Psiquiatria na FMUP. Antes, em 1970, no rescaldo do maio de 68, publicou “A reforma da Universidade”, que lhe valeu uma sanção do regime de então, que o impediu de realizar provas de agregação durante vários anos. Em 1976, já Professor Catedrático, foi eleito, em lista do Partido Socialista, deputado à Assembleia da República pelo círculo do Porto. Enquanto esteve no Parlamento escreveu “Psiquiatria e Psicopatologia”, a mais significativa das suas publicações científicas, que juntou a, entre outras, “Sintomas iniciais da esquizofrenia” (1958); “A farmacoterapia em psiquiatria” (1961) “Curvas glicémias na esquizofrenia” (1963) ou “Saude Mental e Humanização” (1995). A sus vasta obra escrita incluiu psicobiografias de figuras nacionais e internacionais, como Sigmund Freud, Ortega y Gasset, Fernando Pessoa e Teixeira de Pascoaes. Em 1995, o Município de Amarante atribuiu-lhe a Medalha de Ouro. Fonte: Câmara Municipal de Amarante