fbpx
Luís Gaspar
CM AMARANTE

Luís Gaspar realça grandeza da responsabilidade na entrega do Prémio Amadeo de Souza-Cardoso

A cerimónia de entrega do 12.º Prémio Amadeo de Souza-Cardoso decorreu no Salão Nobre da Câmara Municipal de Amarante na presença do presidente do Município, José Luís Gaspar, do presidente da Assembleia Municipal, Pedro Cunha, e da presidente do Júri, Raquel Henriques da Silva.

Eduardo Batarda foi o vencedor do Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso com a obra “[A Terrifying Line of Thought]” que passa, assim, a fazer parte do espólio do museu. “Gostaria de prestar a nossa homenagem a Eduardo Batarda, o artista consagrado extraconcurso do Grande Prémio Amadeo de Souza-Cardoso, pelo percurso e pela distinção agora atribuída, pelo trabalho e afeto que dedicou ao nosso Museu e ao seu Patrono”, afirmou José Luís Gaspar. O presidente do Município realçou a qualidade dos trabalhos apresentados e prestou ainda homenagem ao artista plástico Nikias Skapinakis, galardoado em 2005, e que faleceu a 26 de agosto: “É nestes momentos que percebemos o tamanho da nossa tarefa e grandeza da nossa responsabilidade, honrando sempre os nomes da nossa história: os amarantinos e os que, não sendo de cá, já fazem parte do nosso trajeto.”

Ao receber formalmente o prémio Amadeo de Souza-Cardoso penso, com admiração, na iniciativa que honra a autarquia que a leva a cabo e no nome do artista que o prémio celebra. Como não podia deixar de ser, recordo os nomes de todos os artistas que receberam o prémio antes de mim. É com respeito e amizade que lembro a memória de tantos deles que já desapareceram. E é com grande carinho que penso naqueles de quem fui amigo e admirador. Com todos aprendi”, agradeceu, por escrito, Eduardo Batarda, que se fez representar na cerimónia pela Professora Doutora Raquel Henriques da Silva. As obras da série “Descrição de Imagens”, marcadamente caligráfica, podem ser visitadas na sala do rés-do-chão do Museu Amadeo de Souza-Cardoso.

Foram ainda atribuídos o Prémio Amadeo de Souza-Cardoso a Isabel Carvalho, pela “Histoire de la caricature”, uma instalação que representa o espírito inovador deste Prémio. Emocionada, a artista agradeceu a distinção: “Obrigada a todos os presentes e também a quem torna possível, todos os dias, a minha obra: a minha família. É difícil ser mulher artista!

Prémio Amadeo de Souza-Cardoso a Isabel Carvalho, pela “Histoire de la caricature”

O Prémio de Aquisição do Grupo dos Amigos da Biblioteca-Museu foi para Isaque Pinheiro, com a obra “Uma porta no caminho”, galardão que foi atribuído na fase de concurso e que na presente edição contou com a participação de 226 artistas, com 388 obras. O artista referiu: “Este prémio é muito importante para mim, é com estes reconhecimentos que as coisas vão acontecendo. Agradeço a todos os que fazem isto acontecer, é importante continuar a acontecer.” E deixou o convite: “Gostava que vissem com atenção todas as obras que fazem parte deste prémio.”

À cerimónia de entrega dos prémios seguiu-se a inauguração da exposição 12.ºPrémio Amadeo de Souza-Cardoso, no museu municipal. A mostra, patente até 27 de dezembro, conta com as obras dos finalistas do Prémio Amadeo de Souza-Cardoso, nomeadamente, Carla Filipe, Isabel Carvalho, Mattia Denisse e Renato Ferrão; e outras 34 obras de 26 artistas, eleitos entre os 226 que participaram no concurso.

Prémio de Aquisição do Grupo dos Amigos da Biblioteca-Museu foi para Isaque Pinheiro

Recorde-se que o Júri da edição de 2020 do prémio Amadeo de Souza-Cardoso foi composto pelo comissário do prémio e diretor do museu, António Cardoso; pela Presidente do Júri e historiadora de arte, Raquel Henriques da Silva; Bruno Marchand, Laura Castro e Lúcia Matos, da Associação Internacional de Críticos de Arte (A.I.C.A.) / secção portuguesa de História da Arte.

O Prémio Amadeo de Souza-Cardoso é uma iniciativa que visa a celebração da arte e da cultura da atualidade e o reconhecimento da vasta obra que nos deixou Amadeo, na sua curta existência. Sendo este um ano atípico, de enormes desafios e dificuldades para a sociedade em geral, o Município viu-se obrigado a adiar a cerimónia, o que quebrou o habitual ciclo de Bienal que até aqui caracterizava esta iniciativa.

CM AMRANTE