fbpx
Padre Avelino Alves

Padre Avelino Alves uma vida de serviço

Ao cair da tarde do passado dia 25 de Junho, partiu para a Casa do Pai o Padre Avelino Vieira Alves, de 96 anos. Este sacerdote, natural de Lufrei (Amarante), residia há alguns meses na Casa Sacerdotal da Diocese do Porto. As suas exéquias foram celebradas por D. Manuel Linda, na igreja de São Pedro de Ataíde, no dia 26 de Junho.

Na sua homilia, D. Manuel destacou dois traços da vida deste sacerdote, que definiu como um «homem universal» e um «homem popular». A primeira característica ressalta do seu percurso de vida, que D. Manuel delineou brevemente: nascido a 20 de Agosto de 1923, o Padre Avelino ingressou na Congregação dos Missionários do Espírito Santo em Viana do Castelo, tendo passado por vários seminários até concluir a sua formação na Universidade Gregoriana de Roma, que frequentou durante dois anos; ordenado sacerdote em 19 de Maio de 1951, começou por lhe ser confiada a formação dos futuros espiritanos em Viana do Castelo, leccionando na área da Filosofia; mais tarde, partiu para Cabo Verde; a seu tempo, pediu a incardinação na Diocese do Porto. Uma vez aceite no presbitério diocesano, trabalhou em Anta (Espinho) e em Lomba (Gondomar). Na década de 70, veio trabalhar para a agora extinta Vigararia da Livração, onde foi pároco de Ataíde (1975-2014), Oliveira (1975-2014), Banho (1979-2002) e Real (1994-1995). Deixou a paroquialidade em 2014, tendo-lhe sido concedida a possibilidade de continuar a residir na casa paroquial de Ataíde durante algum tempo. Finalmente, nos últimos dias de 2019, depois de algumas crises assinaláveis de saúde, o Padre Avelino Alves ingressou na comunidade da Casa Sacerdotal, onde foi devidamente acompanhado, o que lhe permitiu alguma recuperação e paliou algum do seu sofrimento. A segunda característica do Padre Avelino Alves – um «homem popular» – tem que ver com o seu estilo de pastor, próximo das pessoas e envolvido nos movimentos e instituições das terras por onde passou. A presença de muitos amigos das paróquias onde serviu foi um sinal «bonito» desta sua «popularidade».

Manuel agradeceu a presença e oração de todos e deixou ainda uma palavra especial ao actual pároco, louvando-o pelo apoio prestado ao Pe. Avelino, sobretudo nesta última fase da sua vida. O bispo do Porto fez ainda um apelo à unidade entre todos e à colaboração pastoral com os órgãos representativos das paróquias. Que melhor forma de honrar a memória do Pe. Avelino, educador na fé de várias gerações de paroquianos, do que colaborar com aqueles que, legitimamente constituídos, continuam o trabalho que ele realizou?

No final, o corpo do falecido sacerdote foi a inumar em jazigo de família no cemitério de Carvalhosa, paróquia para a qual ele veio viver ainda muito jovem e na qual cresceu.