fbpx

Roteiro Literário Agustina promovido por Stay To Talk e Rota do Românico

De forma original, e num trabalho de parceria/colaboração, o Stay to Talk- Instituto de Imersão Cultural e a Rota do Românico propuseram-se organizar uma Experiência Cultural e Literária, unindo o património material edificado ao património imaterial que é a nossa língua e os nossos escritores.

Neste sentido, através da inconfundível escrita da Agustina Bessa-Luís (1922-2019), lançaram o convite a todos os que quisessem conhecer os lugares de Agustina, ou melhor, o museu de Agustina, tal como afirma Mónica Baldaque, na Revista Expresso, em 2018:

Não haverá uma casa-museu Agustina, porque são-no todas aquelas por onde passou, onde viveu e das quais ficou a memória nas obras.”

Apesar do clima que se fez sentir nesse dia, as abundantes águas não demoveram a vontade de experimentar esta proposta literária. Assim, a experiência iniciou-se em Lousada no Centro de Interpretação da Rota do Românico, no sentido de se familiarizarem com o património edificado e, simultaneamente, de se situarem
geograficamente na região.

O Roteiro começou no Centro de Interpretação da Rota do Românico, em Lousada

Mais tarde, o momento de fusão entre a História e Literatura aconteceu no Mosteiro de Travanca – na “sala de receber”de Agustina Bessa-Luís e, na voz de quem se voluntariou, ouvimos as palavras de Agustina Bessa-Luís sobre o mosteiro e sobre a respetiva pia batismal.

O Mosteiro de Travanca, local onde Agustina foi batizada e que serviu de inspiração para o romance da autora o “Mosteiro”

Depois de um almoço tradicional, acrescido de uma sobremesa literária, ouvimos palavras de Agustina sobre Vila Meã e Travanca e as várias razões que a levam a escrever sobre terras amarantinas. Levados por duas obras de Agustina como “A Sibila” e “O Mosteiro” fomos recebidos na Casa da Vessada/Casa das Teixeiras e ficamos a conhecer algumas curiosidades que Agustina fez questão de registar em sua Obra, através de Germa ou de Belchior! Na eira da Casa da Dona Maria, foi revelado o SEGREDO à família dos continuadores de Agustina e respetivamente gerada por esta iniciativa.

Foram ouvidas palavras de Agustina sobre Vila Meã
Palavras de Agustina na Casa das Teixeiras/Casa da Avessada

Por fim, fomos convidados a visitar uma quinta de vinho verde, a sentir e experimentar este néctar do Norte, cuja história é galardoada por referências literárias de algumas personagens agarradas por Agustina e que também inspiraram outros escritores de referência nacional – como é o caso de Camilo Castelo Branco, que também sabia/adivinhava o SEGREDO.

Este foi um dia, cujo tempo convidava ao reconforto da nossa casa. No entanto, quis este grupo, através da descrição de Agustina Bessa-Luís, experimentar os espaços de várias casas, de lugares e/ou de uma comunidade. Foi assumido em Amarante, por todos os participantes, guardarem o SEGREDO, pois como refere Agustina Bessa-Luís, a “História é uma ficção controlada.”

Carolina Mendes, Stay To Talk Instituto