Luís Carvalho, o vilameanense que percorreu a Transibérica (Entrevista)

Luís Carvalho é natural de Vila Meã. Percorreu a Transibérica, uma prova de bicicleta que leva os participantes a percorrer vários pontos da Península Ibérica, num percurso que abrange 3500 KM.

Conquistou o honroso 4º lugar em 12 dias de prova.

Jornal de Vila Meã – O que o levou a participar nesta prova? 

Luís Carvalho – Comecei em Portugal a fazer provas de longa distância (200 a 600 Km). Quando cheguei aos 600 KM, achei que precisava de mais, porque já começava a fazer isso facilmente. Quis fazer mais. O espírito de aventura foi outro dos motivos que me levou a participar, aquela sensação de conseguir chegar ao fim, e isso é de facto uma vitória.

Luís Carvalho durante a prova

JVM – Já pratica este deporto há quanto tempo? 

LC – Comecei há uns cinco anos. Nunca tinha ultrapassado os 1600 KM. Uma pessoa vai ganhando gosto e cada vez quer fazer mais.

JVM – Que tipo de preparação faz para uma prova desta dimensão? 

LC – Este ano fiz 10.000 KM antes de fazer esta prova. Fiz 1.500 KM por mês, ao fim de semana. E não podia fazer mais porque não tinha tempo.

JVM – Que pontos eram obrigatórios passar durante a prova? 

LC – A prova tem pontos obrigatórios e a organização sabe que passamos lá por causa do GPS. Tínhamos seis pontos pelos quais era obrigatório passar e tínhamos de tirar uma foto. Depois fazemos nós a restante rota, pesquisando no google maps. Por vezes não é fácil porque pode haver uma estrada sem saída e outros aspetos que podem prejudicar-nos, uma vez que não conhecemos o trajeto na totalidade.

JVM – A prova contou com quantos participantes? 

LC – No inicio éramos trinta. Desistiram cinco antes de começar e durante a prova desistiram uns três ou quatro; uns com problemas físicos, outros com problemas de bicicleta.

JVM – Na prova ficou em 4º lugar. Era o que ambicionava? 

LC – Só não queria ficar em último. Agora vendo melhor as coisas, se eu tivesse começado mais cedo a preparação, acho que tinha conseguido ficar mais acima. O importante mesmo era conseguir terminar a prova e consegui. Para quem é medalhado, o prazo para terminar são 17 dias. Podia terminar depois, mas já não tinha direito a esse prémio.

JVM – Há muitos portugueses a participar? 

LC – Este ano apenas participámos dois. No ano passado participaram sete pessoas e não foi nenhum português.

JVM – Pensa participar na próxima edição? 

LC – Eu gostava mas a logística não é tão fácil. Começa em Valência e termina em Bilbao. Mas também como são apenas 700 KM, vamos ver.

Luís Carvalho em entrevista ao Jornal de Vila Meã